21.11.08

Todos nessa vida
e eu paro no mesmo
não tenho conteúdo
foi e é o que me parece
so algo transparente que todos precisam
ou não pois posso ser surpéfulo.
Posso, na verdade não posso, às vezes podo
muitas vezes solo
vezes dividido
mas poucos pra dividir
nem sou dividendo
nem absoluto.
Queria ser robusto com força
pra ter mais conteúdo
pra deixar o mundo em paz

2 comentários:

Saulo disse...

Bobagem malandro, bobagem!!!
Passei a tarde de fachina e peguei um envelope cheio de poesias da antiga... Li todas... Não valem nada! A não ser as tuas que eu guardei...
Claro... Existem as auto-críticas... eu entendo...
Mas é valioso lembrar dos toques que vc me dava e lembrar do tempo em que a gente não se sentia tão cansado. A gente confiava na gente e nem sabia porque.
E eu gosto de lembrar e ver vc com confiança, pq nessas horas vc faz coisas imensas sem se dar conta...
Não tô aqui pra puxar o saco...
Mas tem muita coisa que fere quem sente em profundidade, como eu sei que vc sente. Mas o ruido não é maior só pq vc consegue ouvir melhor e nem a pintura da cena mais real pq vc vê mais clara... O difícil, as vezes, é recolher os fatos ao tamanho que eles têm... E saber que eles nem te arranham.

Saulo disse...

Desculpa... "faxina"